segunda-feira, junho 13, 2011

10/11 e 12 de Junho de 2011
Destino... Santiago de Compostela




Obrigado a todos... esta é certamente a melhor forma de começar o relato desta grande aventura, que foi a viagem a Santiago de Compostela, na companhia de uma grande “família”, que se intitula de Papa Trilhos.
Apesar de eu não ser um grande demonstrador de sentimentos, acreditem que, do fundo do coração, o prazer que tive em pedalar estes 3 dias na vossa companhia jamais conseguirei transcrever aqui, e a forma como me acolheram a mim e à minha “bicicleta” (aquela que não se cala e pedala que se farta...) no vosso seio familiar, partilhando assim os trilhos sagrados por onde andámos, tem um valor incalculável... julgo que a isso, se chama amizade... e agora sim... já posso falar à vontade...




Dia 1
Braga – Valença



Por supostos desencontros, não me foi possível acompanhar os Papa no dia 0 em direcção a Braga... como tal, só me restou a hipótese de tirar o rabo da cama às 4 da manhã e em ritmo de sprint (2 horas de casa, à estação da Campanhã no Porto) rumar à invicta, para assim apanhar o comboio até Braga para assim poder dar inicio à aventura dos Caminho de Santiago.
Com 1 hora de atraso em relação aos meus amigos, só me restou uma coisa a fazer... dar ao pedal em busca dos mesmos!!!
Infelizmente, tive a oportunidade de sentir na pela a antipatia que são as gentes do norte, pois tanto para carimbar uma credencial do peregrino como para dizer um simples bom dia, vi-me grego, e dei por mim a certa altura a deixar de ser simpático com aqueles com quem me cruzava, até que a Carla me chamou à atenção!!! Rapidamente voltei ao normal, mesmo grande parte das vezes não tendo resposta???
Felizmente, a beleza das paisagens do norte e os trilhos por onde passávamos faziam-me limpar a mente.
Ao fim de 2 horas, lá apanhámos os ditos e daqui para a frente tudo melhorou ainda mais, pois a alegria e o divertimento, são uma obrigação com esta gente. A paragem para almoço, foi em Ponte Lima, local este que parecia tomado por Bttistas, tal era a quantidade de peregrinos pedalantes que efectuavam o mesmo que nós...
Daqui para a frente começavam a surgir as verdadeiras dificuldades, com trilhos extremamente técnicos a exigirem o máximo da atenção do pessoal, já para não falar das subidas que aos poucos se iam tornando cada vez mais íngremes... tudo isto acompanhado pela verdura abundante do norte...
Chegados a famosíssima “ex-Labruja”, agora baptizada pela subida do Fod..-se, visto ter sido aquilo que todos disseram...mais do que uma vez... cada vez que olhavam para cima... apesar das lamentações, todos chegámos ao cimo, uns melhores do que outros!!! E aqui tivemos dois tipos de trepadores... os homens espertos e as mulheres convencidas... 1 homem esperto, o Rui João... conseguiu enganar alguém para levar a sua bicicleta??? Uma mulher convencida, a Dora... o Rui convenceu-a de que a sua bicicleta era mais pesada do que a dele???
Verdade seja dita que, mais tarde ele apareceu para a levar para cima, não por ser a Dora a carregar a bicicleta, mas, por ter visto que era eu que o fazia... sim, aqui o je, depois de chegar ao cimo e dizer fod..-se que bela paisagem, voltou para baixo para ajudar as donzelas em perigo de ruptura física.
Engraçado foi ver, que á medida que ia descendo ia perguntando se as meninas queriam ajuda... todas diziam não!!! Até verem o que as esperava, e ai... fod..-se, que não fiz assim tantos pecados??? E por mais duro que eu fosse era-me impossível resistir a um pedido tão convincente como este... levas-me a bicicleta agora?
Depois de tanto subir... à que descer... e aqui veio o primeiro acidente da viagem... a Isabel virou o boneco e aleijou-se à séria... terrível para quem tanto treinou no intuito de aguentar tamanha viagem... para infelicidade da mesma, a etapa acabou pouco depois com uma visita ao Hospital que lhe ocupou o resto do dia.
Para o resto do pessoal, abalado pelo acontecimento, restou a resignação de ter de continuar a etapa até Valença... local aonde pernoitámos após uma bela jantarada repleta de massa e cerveja para alguns... chiça, que neste grupo não se bebe vinho, mas cerveja... jasus...




Dia 2
Valença – Pontevedra



Com um nascer de dia maravilhoso em que o sol, apesar de fraquito, talvez pelo cansaço do dia anterior, se fazia sentir aos poucos, era hora de passarmos todos, menos a lesionada Isabel, para o lado de lá... Espanha.
Há coisas que não consigo descrever, e esta é uma delas... como é que em distâncias tão curtas (uma ponte, para ser preciso), as diferenças são tão grandes??? A simpatia de quem nos vê... a beleza dos monumentos... a marcação dos caminhos... é tudo tão diferente!!! Daria outro testamento, ao qual prefiro nem pensar...
Daqui para a frente, as “misses” fotogenia começaram a surgir, e tudo quanto era estatuetas e marcações dos “caminhos” serviam para parar e tirar uma chapa para a prosperidade... neste campo o Ricky levou vantagem... bicicleta com nome de gaja??? Pochete à frente, cheia de cremes e geles para o corpo??? Tudo isto para ficar na bem foto???
Voltando ao que interessa... o caminho... os primeiros Kms em Espanha foram feitos a um bom ritmo, até que surgiram as primeiras avarias que nos levaram a uma paragem prolongada em Porriño, para reparação das binas infectadas e após isso para almoço do pessoal.
Consequência... muitas horas e poucos Kms produzidos!!! Verdade seja dita que no grupo a pressa não reinava, mas quanto mais tarde acabasse-mos... menos tempo de descanso teríamos.
Regresso aos trilhos, era tempo de tentar recuperar tempo perdido... a beleza dos caminhos também ajudavam, mas, a apatia dos caminhantes, e o companheirismo de todos aqueles que faziam o mesmo que nós é algo que dificilmente alguém poderá esquecer... tirando a dor??? tudo o resto é partilhado... especialmente o comer e o prazer de partilhar algo com quem passa, é algo difícil de se ver no nosso lado da fronteira!!! É engraçado que grande parte eram Tugas... mas cá, não vemos disto???

Chegados a um dos pontos mais belos deste passeio, com vista para o Atlântico, junto a Vigo, foi tempo para o segundo incidente grave... queda da Bela... uma descida rápida, técnica, com pedra solta... tudo aquilo que proporciona uma queda dolorosa.
Resultado... visita ao hospital, com direito a longas horas de espera e pontos internos e externos no braço!!!
Mais uma vez... o grupo seguiu viagem com a dor da mesma na cabeça, mas sem nada poder fazer a não ser pedalar até ao local de descanso.
Para o jantar deste dia, Rodízio de Carnes... altura em que os verdadeiros animais se revelaram... minha nossa!!! Que eles bebiam muita cerveja, já sabia... que comiam bem? já calculava... mas tanto? Verdade seja dita, que quem não é para pedalar, não é para comer... Traz mais carninha para o menino!!! Não é Mário???



Dia 3
Pontevedra – Santiago de Compostela




Depois de 2 dias longos em cima da bina, para este o pensamento do grupo era um... chegar cedo. Para tal acontecer, a hora de saída foi antecipada para as 6h da manhã (hora portuguesa), hora esta que teve o inconveniente de não termos um pequeno almoço digno de verdadeiros desportistas.
De registar, que apesar das lesões “graves” das meninas Isabel e Bela, as mesmas fizeram questão de alinhar no pelotão neste derradeiro dia para o sofrimento final.
Para grande parte do grupo, ao qual me incluo, era uma estreia em 3 dias consecutivos a pedalar. Os caminhos, talvez pela proximidade de Santiago, iam-se tornando cada vez mais belos e ao mesmo tempo fáceis de se fazerem talvez por o sentimento da recompensa por tamanha façanha elevar as forças de todos nós, ao ponto de esquecermos as dores de rabo e de pernas provocadas pelos dias anteriores.
Neste ultimo dia, perdi a conta á quantidade de caminhantes que apanhámos... realmente um percurso feito por muita gente.
À passagem por Padrón, apanhámos uma Hiper-feira local, que apesar de ter dado algum trabalho a atravessar, foi muito gira de se ver... e só não foi mais saborosa, porque os meus companheiros comeram-me as maravilhosas cerejas que comprei na mesma!!! Bem comi 2... num saco, fiquei com 2 ???

Antes de chegarmos ao fim ainda fizemos um pequeno desvio, com finalidade turística a uma ponte romana que o Rui João conhecia, para o pessoal tirar umas fotos no local.
Daqui até Santiago, tudo correu bem... tirando o pequeno tombo da Sandra??? Estas mulheres fazem de tudo para receber atenção dos homens!!!
Chegados ao destino, foi tempo da consagração de todos... não tirando a mérito a ninguém, os meus parabéns às lesionadas pelo esforço de terem aguentado as dores e feito este último dia até ao fim... umas heroinas, sem dúvida.
Após as fotos da ordem, foi tempo de irmos receber as nossas compostelas comprovativas do nosso feito... depois disto, só faltava as compras da ordem, comer e regressar a casa... e aqui obrigado aos Papa Trilhos pela boleia até ao Porto, local aonde tinha a minha viatura.
Só me resta dizer... até próxima amigos.

10 comentários:

Miguel disse...

Já! Já fizeste o relato!!! Eu conheço dois "peregrinos" que andam há quase um ano para fazer o relato...

Para já só via as fotos, poucas... depois leio...

Anónimo disse...

Apesar de ter deixado já o meu testemunho na reportagem do nosso grupo, não posso deixar passar esta oportunidade para vos agradecer os momentos de companheirismo, carinho e .. F...-se, muito divertimento que passaram connosco. Quanto a mim, depois de 3 dias de molho e uma nova ida ao medico, vou ficar mais 2! a minha perna, do joelho para baixo parece um cepo negro com 5 dedinhos a sair dele !!!! enfim...
um beijinho muito grande com amizade. Isabel

Sergio PAPA TRILHOS disse...

Muito Obrigado pela companhia e foi um prazer pedalar com o Jaime e a Carla nesta aventura Santiago,sou o tipo que tive carregar o NOKIA(CARLA) as costas, até a proxima
Sérgio

Rui Dias disse...

Amigos mais um objectivo conseguido,muitos parabens ,vamos ao proximo,desejos de boa recuperaçao as lesionadas.

Marco San disse...

Olá,
Reportagem muito fixe.
Obrigado pela vossa companhia.
Apareçam de vez em quando para darem uma volta pela Serra da Arrábida.
Beijos e Abraços

Paulo Alex San disse...

Caros,
Aí está ao que se chama uma grande aventura! O relato do Amigo Jaime exprime isso mesmo. Foram 3 dias intensos que além do BTT, também serve para fazer e conhecer novos Amigos. Foi um enorme prazer que pedalei com o Jaime e a Carla, sendo inequívoca a mais valia que acrescentaram ao grupo de pedalantes. Por isso, meus amigos, um agradecimento pela Vossa companhia e.... Até Já!

Kitos disse...

Bem... eu já vos tinha dito que estava com uma pontada enorme onde o braço dobra??? Grande relato (pareces um gajo que eu cá sei) grandes fotos grande aventura grandes malucos especialmente grandes malucas... especialmente as duas azaradas que (como nos filmes que acabam bem) voltaram no ultimo dia para passar a "meta" em conjunto. Numa paralvra... BRUTAAAAAAAAAAAAL!!! Os meus parabens!

PMODA disse...

Mais uma aventura á mistura com turismo ciclistico, estão em grande e em todas, relato fantástico (Prémio Grande Reporter)
Um grande abraço aos 2 Paulo Marques

Rikybike disse...

Obrigado amigos, pelo vosso companheirismo, sabem que são sempre bem vindos ao nosso grupo. Em relação aos cremes,é para manter a jovialidade e frescura.
Para vocês, um GRANDE Beijo e Abraço, do coração.

Anabela disse...

Parabéns por esta bela reportagem e muito obrigada pelo manguito direito, pelo carinho e apoio dado. O meu "mori", "o menino" da reportagem vai entrar agora na linha. Quando o virem nem o vão reconhecer!
Beijocas e apareçam, são sempre bem vindos!
P.S.: Cheguei a Santiago com onze pontos de avanço, alguém me consegue bater!!! Ah pois é!!!